Estruturas metálicas e galvanização

Notícias

13/02/2015

Cetec ganha unidade de galvanização

Planta-piloto, fruto da parceria entre Fiemg, Senai e Votorantim Metais, recebeu investimentos de R$ 1,2 milhão

Leonardo Francia

 

A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e a Votorantim Metais inauguraram ontem uma planta-piloto de galvanização técnica industrial voltada para a proteção de estruturas de aço e ferro contra a corrosão. A unidade foi instalada no Centro de Inovação e Tecnologia Senai/Fiemg (Cetec), localizada no bairro Horto, em Belo Horizonte, mediante aportes de R$ 1,2 milhão.

 

"Essa planta-piloto significa trazer a indústria para o Cetec, para junto dos pesquisadores, além de agregar valor aos nossos produtos, para que tenhamos empregos de qualidade e consigamos disputar com qualidade o mercado. É uma forma de dar às empresas mineiras que usam e aplicam a galvanização acesso a essa tecnologia, que pode ser aplicada, por exemplo, em torres de transmissão, base de motores e cercas de arame. Com esse tratamento, a durabilidade das estruturas aumenta", afirmou o presidente da Fiemg, Olavo Machado Junior.

 

Segundo o dirigente da indústria mineira, os resultados obtidos com a aplicação da liga de zinco produzida pela planta-piloto podem ser multiplicados, em serviços e produtos, "para uma gama muito grande de empresas" que poderão usar a tecnologia. Machado Junior destacou ainda a importância do Cetec para a inovação dos processos produtivos industriais.

Base – O diretor de Tecnologia e Engenharia da Votorantim Metais, Alexandre Gomes, também comemorou o investimento. Segundo ele, a unidade servirá de base para pesquisa e desenvolvimento de uma nova liga de zinco de alta performance, capaz de aumentar a resistência e a durabilidade de estruturas metálicas em grandes obras de infraestrutura.

"É uma alegria inaugurar essa planta-piloto e poder fazer isso em casa, uma vez que das 11 unidades da Votorantim, oito estão em Minas. E isso é muito importante. Estamos empolgados com a dedicação do Sistema S e com o apoio da Fiemg. É uma parceria ganha-ganha. Nós ganhamos porque poderemos fazer projetos de infraestrutura de melhor qualidade. Mas o maior ganho de todos é colocar jovens, estudantes e pesquisadores trabalhando em empregos de qualidade", disse o diretor da empresa.

 

Também presente na cerimônia de inauguração, o secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Miguel Corrêa, destacou a importância de ações que visam a inovação e melhoram o sistema de produção no momento econômico atual. "Essa é a grande aposta do Estado. Temos estudado parcerias como fonte de financiamentos e estamos apostando alto na ciência e tecnologia", enfatizou.

 

Dentro da estratégia do governo de Minas, ainda segundo o secretário, o Estado precisa desenvolver um novo modelo de indústria e um novo modelo econômico, que há muitos anos é dependente da agricultura e do minério de ferro, especialmente. "Queremos diversificar isso e apostar na inovação, que é a grande bandeira dessa gestão", reforçou.

 

Liga – A planta vai desenvolver uma liga de zinco para o processo de galvanização, técnica usada para aumentar a resistência e durabilidade de vigas de aço usadas em equipamentos pesados da indústria e em grandes obras infraestrutura. A galvanização pode ser aplicada em setores como construção civil, energia elétrica, telecomunicações, transportes e exploração de óleo e gás, entre outros.

 

Além do projeto da Votorantim Metais, a planta-piloto também poderá ser utilizada para testes de projetos solicitados pela indústria de galvanização. Segundo o presidente da Fiemg, isso é uma forma de ampliar o compartilhamento da tecnologia com os galvanizadores que utilizam as ligas de zinco como elemento fundamental contra a corrosão metálica.

 

Do recurso total aportado na planta (R$ 1,2 milhão), a Votorantim Metais investiu R$ 690 mil e o restante foi dividido entre o Senai Nacional (R$ 300 mil) e o Senai Minas (R$ 253 mil). Os recursos foram destinados por meio do Edital Senai/Sesi de Inovação.

 

Produto ainda é pouco utilizado no Brasil

Uma vez aprovada e aplicada, a nova liga de zinco para galvanização que será desenvolvida na planta-piloto,

aliada ao déficit de infraestrutura do país, pode abrir "um mercado importante" para a Votorantim Metais, de acordo com o diretor de Tecnologia e Engenharia da empresa, Alexandre Gomes.

 

Conforme ele, a galvanização é um processo crítico para a sustentabilidade das estruturas, das pontes e de prédios, principalmente em regiões onde se tem maiores índices de corrosão. Além de oferecer um produto mais resistente e com maior durabilidade, o consumo de aço galvanizado no Brasil ainda é muito pequeno.

 

Segundo Gomes, o país gasta aproximadamente 1,6 quilo de aço galvanizado por habitante, enquanto que na Europa o consumo chega a 20 quilos por pessoa. "Quando se vê a situação da infraestrutura do mundo como um todo e, considerando que a indústria depende dela para melhorar sua competitividade, a galvanização é muito importante nesse contexto", afirmou.

 

O diretor explicou que o custo inicial de se usar uma peça galvanizada é mais alto, mas é compensado pela durabilidade que ela proporciona à estrutura na qual foi aplicada. "Custa mais caro fazer um viaduto perto do mar ou em um ambiente onde existe corrosão com vergalhão galvanizado do que com vergalhão comum, que vai custar menos no início. Porém, no ciclo total, a peça de aço comum vai demandar mais reparos e custar mais caro", exemplificou.

 

Segundo o diretor da Votorantim, dependendo do ambiente corrosivo, o aço galvanizado pode triplicar o tempo de vida útil da estrutura onde foi aplicado, principalmente em cidades litorâneas e ambientes poluídos. "Ainda usamos pouco no Brasil e estamos pesquisando essas aplicações, o que será importante para a indústria e para a infraestrutura do país", acrescentou.

imprimir esta notícia

enviar para um amigo

voltar para listagem